Ministère de la culture Inrap

Imprimir o programa

Select your region or print the program.

52 resultados
Alentejo, Beja, Serpa

Museu Municipal de Arqueologia de Serpa

Alcáçova do Castelo, 7830 Serpa

http://www.cm-serpa.pt/

Visitas guiadas ao Museu Municipal de Arqueologia de Serpa

Visita guiada

Visita guiada ao Museu Municipal de Serpa
Visita guiada pelo arqueólogo Miguel Serra, às coleções do Museu Municipal de Arqueologia de Serpa, para conhecer a história da ocupação humana do território de Serpa desde o Paleolítico até ao período Islâmico.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:30 à 12:00 et de 15:00 à 16:30Sábado, 18 de junho de 10:30 à 12:00 et de 15:00 à 16:30

Todos os públicos

Alentejo, Évora, Évora

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

Largo Conde de Vila Flor 7000-804 Évora

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-de-evora/

O MNFMC tem por missão gerir, salvaguardar, estudar, conservar os bens que tem à sua guarda, bem como desenvolver e executar a política museológica nacional. Procura estimular o interesse e o conhecimento de públicos de diferentes origens e idades pela Arte, Arqueologia e Património material e imaterial e por temas que façam pensar e que sejam construtores de uma sociedade mais participativa e socialmente responsável. As coleções do MNFMC apresentam núcleos significativos de Arte e Arqueologia, a que acresce uma Coleção de História Natural e ainda um conjunto de objetos científicos. Tem à sua guarda cerca de 20000 peças. Este Museu de muitas Coleções foi criado por decreto em 1914, abriu em 1921, instalando-se no Paço Arquiepiscopal em 1929, onde atualmente se encontra.

Visita guiada

Do Hospital para o Museu: arqueologia, colecionismo e comunidade
No âmbito das Jornadas Europeias da Arqueologia, João Caia, Licenciado em História e Arqueologia, irá dar destaque a alguns objetos provenientes da Coleção do Hospital de Évora. Reunida por trabalhadores desse hospital através de escavações amadoras a diferentes antas durante a década de 60, falar-se-á sobre a história desta coleção e suas características. Como se formou a coleção e qual a sua biografia? O que nos pode dizer sobre o significado da Arqueologia para a comunidade local eborense? Que problemas e que potencialidades levantam este caso de colecionismo arqueológico? São as questões a que tentará responder nesta visita, apresentando algumas ideias iniciais de uma investigação em curso no MNFMC.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 16:00 à 17:30

Todos os públicos

Alentejo, Évora, Évora

AGE Web Workshop

Apart. 94 Largo Marquês de Marialva 7002-554 Évora

Archaeology and Gender in Europe, European Association of Archaeologists 'Community'.

Conferência

AGE Web Workshop
.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 12:00 à 14:00

Todos os públicos

Alentejo, Portalegre, Monforte

Visita guiada percurso "Arqueologia da Morte"

Praça da República

“Do pó viemos e ao pó voltaremos“.
Ingressaremos numa viagem ao longo do tempo, na qual percorreremos vários espaços museológicos que contextualizam os ritos e rituais que envolviam a morte.

Visita guiada

“Do pó viemos, e ao pó voltaremos“

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 12:00 (Local de encontro: Praça da República)Sábado, 18 de junho de 10:00 à 12:00 (Local de encontro: Praça da República)

Todos os públicos

Alentejo, Portalegre, Marvão

Cidade romana de Ammaia

n4 Estrada da Calçadinha, São Salvador de Aramenha
Marvão

Inauguração de exposição de trabalhos efetuados pelos alunos do ensino pré-escolar e do 1ºciclo do Agrupamento de Escolas de Marvão, no âmbito do projeto Amar+Ammaia que se realizou durante todo o ano letivo 2021/2022. Depois das visitas à Ammaia e museu os alunos produziram artefactos, vestuário, conhecimento sobre os textos e os números romanos, jóias, mosaicos, estatuária. A exposição será inaugurada no Museu da Ammaia na terça-feira, dia 21, pelas 10h ainda no âmbito das JEA.

Exposição

Exposição Amar+Ammaia
Inauguração de exposição de trabalhos efetuados pelos alunos do ensino pré-escolar e do 1ºciclo do Agrupamento de Escolas de Marvão, no âmbito do projeto Amar+Ammaia que se realizou durante todo o ano letivo 2021/2022. Depois das visitas à Ammaia e museu os alunos produziram artefactos, vestuário, conhecimento sobre os textos e os números romanos, jóias, mosaicos, estatuária. A exposição será inaugurada no Museu da Ammaia na terça-feira, dia 21, pelas 10h ainda no âmbito das JEA.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 12:00

Todos os públicos

Alentejo, Portalegre, Avis

Centro de Arqueologia de Avis

Pátio das Cisternas 8

O Centro de Arqueologia de Avis localiza-se na zona antiga da vila e ocupa uma das fracções do conjunto monástico de São Bento de Avis (Imóvel de Interesse Público). A funcionar desde 2011, o CAA assume-se como um espaço de cariz científico e cultural que reúne as condições para o desenvolvimento de um conjunto diversificado de actividades no domínio da Arqueologia. Nesse sentido, mantem uma relação estreita com a comunidade, privilegiando o contacto directo com as realidades arqueológicas e com os trabalhos que lhes estão associados. Este princípio efectiva-se através da concretização de iniciativas diversificadas e orientadas para públicos distintos, promovendo-se, assim, a compreensão, a partilha e a participação.

Contúdo Digital

Património, Paisagem e Memória III Mostra de Fotografia do CAA
O Centro de Arqueologia de Avis lança, no dia 17 de junho, a III Mostra de Fotografia. Nesta edição, com o tema Património, Paisagem e Memória, os participantes são convidados a captar imagens e histórias que têm como tema central o património cultural e paisagístico do concelho Avis.
Condições de participação disponíveis no link.
De 17 de junho a 31 de julho de 2022.

Acesso grátis

Todos os públicos

Circuito de descoberta

Roteiro megalítico “Entre pedras e pedrinhas | Circuito da ribeira de Seda“
O circuito megalítico da ribeira de Seda desenvolve-se numa paisagem marcada por diversos testemunhos da presença humana, numa área que ainda conserva um notável enquadramento natural e paisagístico, de onde sobressaem a avifauna, assim como a galeria ripícola associada à ribeira.
Pela sua localização, o circuito possibilita uma visita a outros pontos de interesse em Benavila, como o Museu Rural, a Adega e a Loja da Fundação Abreu Callado, a capela de N. Sr.ª de Entre Águas e a Lápide romana de Entre Águas (Monumento Nacional). Em Valongo destacam-se ainda dois importantes exemplares arbóreos classificados de interesse público.
Visita livre e autónoma com o apoio da informação disponibilizada em folheto.

Acesso grátis

Todos os públicos

Alentejo, Setúbal, Grândola

Excursão megalítica à serra de Grândola

Jardim Dr. José Jacinto Nunes (ponto de encontro)

https://www.cm-grandola.pt/

Com o objetivo de aproximar os cidadãos ao património, nos próximos dias 17 a 19 de junho celebram-se as Jornadas Europeias de Arqueologia. Aproveitando que se encontra a decorrer o processo de classificação do megalitismo alentejano, dos quais dezanove monumentos se localizam no concelho, o município de Grândola organiza, no próximo dia 19 de junho (domingo), uma excursão megalítica pela serra de Grândola. Esta é uma oportunidade de conhecer uma paisagem milenar e visitar alguns monumentos desconhecidos ou com acesso condicionado.

Circuito de descoberta

Excursão megalítica à serra de Grândola

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 17:00

Todos os públicos

Algarve, Faro, Loulé

Sítio arqueológico de Loulé Velho (Quarteira-Loulé)

Loulé Velho, junto ao restaurante Temperus

Venha conhecer os trabalhos que estão a ser realizados no sítio de Loulé Velho. O local, que pode ter correspondido a uma villa romana (dos séc. I a VI), foi muito afectado pelo recuo da linha de costa nos últimos anos e foi quase completamente destruído pelo mar. No entanto, trabalhos de arqueologia de emergência realizados em diversas ocasiões revelaram que parte do cemitério ainda se encontra na arriba, sob o pinhal atual.
Descubra o que a equipa de arqueólogos e antropólogos está a revelar sobre os antigos habitantes deste sítio, as suas actividades, os recursos explorados e como viveram e enterraram os seus mortos.
Actividade realizada pelo Centro de Arqueologia da Univ. de Lisboa (UNIARQ) com estudantes de Arqueologia, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé e a Univ. do Algarve

Dia aberto

Dia aberto no sítio de Loulé Velho
Dia aberto nas escavações arqueológicas que decorrem no sítio de Loulé Velho.

Actividade realizada pelo Centro de Arqueologia da Univ. de Lisboa (UNIARQ) com estudantes de Arqueologia, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé e a Univ. do Algarve.

dia 17 de Junho
das 9.00h às 13.00h

Acesso grátis

Todos os públicos

Centro, Castelo Branco, Fundão

Museu Arqueológico Municipal do Fundão

R. do Serrão 13-15, 6230-418 Fundão

O Museu Arqueológico Municipal José Monteiro, localizado na zona antiga da cidade do Fundão, contempla coleções de arqueologia de diversos arqueossítios deste concelho, permitindo uma aproximação ao conhecimento deste território entre o paleolítico e o período romano.

Sexta-feira: 10h00 - 12h30 | 14h00 - 17h30
Sábado e domingo: 14h00 - 17h30

Centro, Castelo Branco, Fundão

Museu Arqueológico Municipal do Fundão

R. do Serrão 13-15, 6230-418 Fundão

Oficina

OFICINAS DE ARQUEOLOGIA EXPERIMENTAL
O Museu Arqueológico Municipal do Fundão, através dos seus serviços educativos, irá desenvolver oficinas de arqueologia experimental que darão a conhecer o modo de vida dos nossos antepassados pré-históricos, através dos artefactos produzidos.
Haverá ainda a oportunidade de participação numa escavação arqueológica simulada, colocando os jovens e crianças em contacto com os principais materiais utilizados em escavação. É feita uma breve descrição dos procedimentos arqueológicos desde a descoberta dos sítios, a sua escavação, recolha de materiais e seu acondicionamento no Museu.
Esta iniciativa tem como principal objetivo contribuir, de uma forma lúdico-didática para o envolvimento da comunidade escolar na preservação, promoção, valorização e divulgação do património concelhio.

A atividade realiza-se na área de lazer junto à Ponte Nova, em Atalaia do Campo (Fundão), no próximo dia 21 de Junho, a partir das 9h30.

Acesso grátis

Crianças

Centro, Castelo Branco, Covilhã

Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior

Rua Marquês d'Ávila e Bolama, Covilhã--Portugal

www.museu.ubi.pt

O Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior foi criado em 1992, na área das tinturarias setecentistas da Real Fábrica de Panos, uma manufactura de Estado, fundada pelo Marquês de Pombal, em 1764. Desde 1982, foi protegida e classificada como Imóvel de Interesse Público (IIP). Atualmente, tem mais dois núcleos: as Râmolas de Sol (1998), ao ar livre, e a Real Fábrica Veiga, núcleo museológico e centro de interpretação dos lanifícios, com uma Arquivo Histórico (2011).

Visita guiada

À procura das Muralhas da Covilhã e das marcas de Arqueologia Industrial na cidade medieval“
Um percurso pedestre, de cerca de 2h, com dificuldade média, ao longo do perímetro das muralhas medievais da Covilhã e numa descoberta de marcas da indústria de lanifícios na antiga urbe medieval, numa visita orientada por Michael Mathias, arqueólogo e professor da Universidade da Beira Interior.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 17:00 à 19:00

Todos os públicos

Visita orientada num percurso pela cidade, com o arqueólogo Michael Mathias (UBI).

Visita guiada

Visitas guiadas na Real Fábrica de Panos
Visitas guiadas, às 11h e às 15h, à área das tinturarias da Real Fábrica de Panos, manufactura de Estado fundada pelo Marquês de Pombal, em 1764. Neste local manufactureiro, tingiram-se os panos para os fardamentos do exército português, dos criados da corte e para os fabricantes locais, assim como se certificava a qualidade da produção dos tecidos. Desde 1992, tornou-se o primeiro núcleo museológico do Museu de Lanificios da Universidade da Beira Interior.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 11:00 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 15:00 à 17:00

Todos os públicos

Centro, Coimbra, Condeixa-a-Nova

Museu Monográfico de Conimbriga - Museu Nacional

Rua Professor Vergilio Correia, 3150-220 Condeixa-a-Velha

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-monografico-de-c

Em 1873, o Instituto de Coimbra criou uma secção e um Museu de Arqueologia e deu início ao estudo de Conimbriga. Em 1899, concretizaram-se as primeiras sondagens de vulto, desenho da planta do oppidum e os primeiros levantamentos de mosaicos. A partir de 1929, iniciaram-se em Conimbriga escavações sistemáticas, impulsionadas pela realização do XI Congresso Internacional de Antropologia e Pré-História. Os resultados motivaram o Estado em 1930, a adquirir a maioria dos terrenos. Nos anos quarenta e cinquenta do século XX são realizadas obras de reconstituição e consolidação das ruínas, especialmente dos mosaicos. Em 1962, foi inaugurado o Museu Monográfico de Conimbriga, posteriormente Museu Nacional.

Conferência

Apresentação dos resultados da investigação arqueológica de 2021
Apresentação dos resultados da investigação arqueológica de 2021 |Ricardo Costeira da Silva Faculdade de Letras – Universidade de Coimbra, José Ruivo - MMC-MN, Vítor Dias - MMC-MN | Parceiros: Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova e Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
Lançamento da Campanha de escavações “Casa dos Repuxos” (4 de julho - 29 de julho) Museu Monográfico de CONIMBRIGA – Museu Nacional | Parceiros: Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova e Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 21:00 à 22:00 à 22:00

Adultos

Visita guiada

Visitas Guiadas às Ruínas de Conimbriga
visitas com marcação prévia através do e-mail: mmconimbriga@gmail.com
17 junho visitas noturnas nos horários: 22:00, 22:10, 22:20 e 22:40
18 junho visitas noturnas nos horários: 21:30, 21:40, 21:50 e 22:00
19 junho visitas nos horários:17:00, 17:30 e 18:00

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 22:10 à 22:40 à 22:40 (Horário personalizado por dia)Sábado, 18 de junho de 22:10 à 22:40 à 22:40 (Horário personalizado por dia)Sexta-feira, 17 de junho de 22:10 à 22:40 à 22:40 (Horário personalizado por dia)

Todos os públicos

A visita não é acessível a pessoas com mobilidade reduzida.

Espetáculo

Condeixa o Vislumbre de um Império
Atividade de recriação da época romana

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 18:00 à 00:00 à 00:00 (Horário personalizado por dia)Sábado, 18 de junho de 18:00 à 00:00 à 00:00 (Horário personalizado por dia)Sexta-feira, 17 de junho de 18:00 à 00:00 à 00:00 (Horário personalizado por dia)

Todos os públicos

Exposição

Exposição Petra…História Escrita na Pedra
Petra… História Escrita na Pedra, é uma viagem fotográfica a este grandioso sítio arqueológico Jordano, através do olhar do fotógrafo Luís Reina.
Um dia passado neste local inscrito na lista do Património Mundial da Humanidade.
Imagens que permitem descobrir a história de ontem e de hoje como forma de chegar sempre a um amanhã que irá sempre recordar os grandiosos caminhos da história das nossas raízes.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 17:15 à 18:00 (Bilhete Gratuito a adquiri até às 17:15)Sábado, 18 de junho de 10:00 à 17:15 à 18:00 (Bilhete Gratuito a adquiri até às 17:15)Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 17:15 à 18:00 (Bilhete Gratuito a adquiri até às 17:15)

Todos os públicos

Acessível para pessoas com mobilidade reduzida.

Centro, Coimbra, Oliveira do Hospital

Centro Interpretativo das Ruínas Romanas de Bobadela

Rua João Borges de Brito, 1
3405-017 Bobadela

www.cm-oliveiradohospital.pt

“O Centro Interpretativo de Bobadela Romana revela-nos a História dessa antiga cidade, através de um discurso expositivo, dirigido a todos os públicos, que articula textos, fotografias e ilustrações, com equipamentos multimédia interativos e um filme documental, expondo-se ainda algumas peças arqueológicas recolhidas nas escavações de Bobadela. O Centro Interpretativo de Bobadela Romana reúne e sintetiza o que há de mais relevante na memória de um Povo: a sua História.“

Pedro C. Carvalho
Professor da Faculdade de Letras. Universidade de Coimbra

Oficina

Oficina de Epigrafia Romana - Decalque de inscrições

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:00 à 18:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Oficina

Manufatura de tégulas

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 18:00

Todos os públicos

Centro, Leiria, Leiria

Visita guiada ao sítio arqueológico Portela 2 (Vale Brusco, Maceira, Leiria)

Vale Brusco, Maceira, Leiria

https://www.uniarq.net/paleorescue.html

No dia 18 de junho, no âmbito das Jornadas Europeias de Arqueologia, serão realizadas duas visitas guiadas ao sítio arqueológico do Paleolítico Superior designado Portela 2, localizado em Vale Brusco (Maceira, Leiria). A primeira visita será às 10h30 e a segunda às 16h.

Visita guiada

Visita guiada ao sítio arqueológico Portela 2 (Vale Brusco, Maceira, Leiria)
Em 2009, durante a abertura de uma vala relacionada com saneamento, arqueólogos da empresa Crivarque identificaram artefactos líticos que imediatamente atribuíram ao Paleolítico Superior. As novas escavações, iniciadas em 2021, e o estudo dos materiais líticos fazem parte do projeto “PALEORESCUE - O Paleolítico Superior e a Arqueologia Preventiva em Portugal: desafios e oportunidades”, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia através da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 16:00 à 16:45 Sábado, 18 de junho de 10:30 à 11:15

Todos os públicos

Centro, Leiria, Ansião

Complexo Monumental de Santiago da Guarda

Rua do Conde de Castelo Melhor, 3240-690 Santiago da Guarda

https://www.cm-ansiao.pt/PT/visitantes/1/patrimonio-e-cultura/27/complexo-monumental-de-santiago-da-

Monumento Nacional desde 1978, a Residência Senhorial dos Condes de Castelo Melhor reúne todas as épocas históricas em diferentes construções:
• uma villa tardo-romana de séc.s IV-V, escavada no início do século XXI;
• uma torre medieval (séc. XII), reconstruída no século XV;
• um paço manuelino (séc. XVI);
A intervenção e a musealização decorreram durante o início deste séc. (XXI).

Circuito de descoberta

Caça ao Tesouro
A atividade consiste numa visita ao espaço, com um mapa do tesouro, para colecionar pequenos tesouros até encontrar o baú do tesouro. O mapa do tesouro tem pistas e desafios.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 11:00 à 12:00 Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:00 Domingo, 19 de junho de 15:00 à 16:00 Sábado, 18 de junho de 15:00 à 16:00

Todos os públicos

Caça ao Tesouro

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência visual, Deficiência auditiva, Deficiência mental

O único espaço onde não há acesso para pessoas com dificuldades motoras é a torre.

Visita guiada

Visitas gratuitas (autónomas)
Visita gratuita ao Complexo Monumental de Santiago da Guarda (Villa Romana, Torre, Paço Manuelino). A visita é realizada de forma autónoma, havendo uma explicação inicial e ao longo do percurso o visitante terá os vestígios que observa explicados através de textos, imagens, um filme e uma mesa interativa.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 13:00 Sábado, 18 de junho de 10:00 à 13:00 Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 14:00 à 18:00 Sábado, 18 de junho de 14:00 à 18:00 Sexta-feira, 17 de junho de 14:00 à 18:00

Todos os públicos

Visita autónoma ao monumento.

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência visual, Deficiência auditiva, Deficiência mental, Visita em língua gestual

O único espaço não acessível para pessoas com dificuldade motora é a torre.

Demonstração

Decalque de Mosaico Romano
Cada participante irá decalcar mosaicos romanos in situ, com papel de acetato e canetas.
Irá haver uma explicação do arqueólogo responsável.
Cada sessão será de 45 minutos, com um máximo de 4 pessoas por sessão.
Manhã: 11h-11h45m / 11h45m-12h30
Tarde: 15h30m-16h15m / 16h15m-17h
Mediante inscrição prévia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 11:00 à 12:30 Sexta-feira, 17 de junho de 15:30 à 17:00

Todos os públicos

Estudantes

2.º e 3.º ciclo, Secundário

Para maiores de 12 anos - decalque de mosaico romano.

Acessibilidade

Deficiência auditiva, Deficiência mental

Esta atividade não será possível para pessoas com dificuldades motoras ou deficiências visuais.

Centro, Leiria, Peniche

Sítio arqueológico dos Fornos Romanos do Morraçal da Ajuda

Rua Calouste Gulbenkian,
Peniche

www.cm-peniche.pt

Qual o trabalho do arqueólogo? E quais os instrumentos que utiliza?
No Sítio Arqueológico dos Fornos Romanos do Morraçal da Ajuda, pretendemos explicar um pouco mais sobre a profissão do arqueólogo assim como contextualizar a então «Ilha de Peniche» no decorrer da ocupação romana (século I a.C a IV d.C.).

Oficina

Arqueólogo por 1 dia
Qual o trabalho do arqueólogo? E quais os instrumentos que utiliza? No Sítio Arqueológico do Morraçal da Ajuda, em Peniche, vem ser Arqueólogo por 1 dia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 17:00

Estudantes

Estudantes

Primária

Centro, Leiria, Peniche

Sítio arqueológico do Concheiro e Fortim do Baleal

Largo de Santo Estevão (junto à Ermida de Santo Estevão)
Península do Baleal, freguesia de Ferrel

www.cm-peniche.pt

Visita guiada «Os primeiros mariscadores do Baleal», no sítio arqueológico do Concheiro e Fortim do Baleal, pelo arqueólogo Luís Rendeiro (projeto Peniche Espaço Tempo).

Visita guiada

Os primeiros mariscadores do Baleal
Este sítio arqueológico foi identificado durante prospeções (2015 e 2016), na freguesia de Ferrel, pela Associação Patrimonium. Trata-se de uma mancha de solo de tons escuros, abrange toda a largura do caminho de acesso ao Fortim do Baleal. À superfície foi identificada alguma indústria lítica em sílex e cerâmica. Nos cortes são visíveis algumas camadas conquíferas compactas, com cerca de 50cm (visíveis), que continha um aglomerado de fauna malacológica.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:00 à 12:00

Todos os públicos

Centro, Santarém, Torres Novas

Grutas do Almonda. Ccomplexo Cársico associado à nascente do Almonda

Almonda

https://museu.cm-torresnovas.pt/

Ler aqui https://www.uniarq.net/arqevo_pt.html

Visita guiada

Por dentro do Sistema Cársico do Almonda: Arqueologia e Espeleologia
Visita guiada às grutas do Almonda, com equipa de arqueólogos do projeto de investigação Arqevo (https://www.uniarq.net/arqevo_pt.html) e com os espeleólogos da STEA

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 09:00 à 14:00 (RESERVA OBRIGATORIA através do mail museu.municipal@cm-torresnovas.pt)Sábado, 18 de junho de 09:00 à 14:00 (RESERVA OBRIGATORIA através do mail museu.municipal@cm-torresnovas.pt)

Adultos

Percurso de difícil acesso

Lisboa, Lisboa, Torres Vedras

Tholos do Barro

Monte da Pena, Rua Principal, Barro
2560-241 Torres Vedras

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=6352

O Museu Municipal Leonel Trindade acolhe os visitantes nas escavações arqueológicas a decorrer no Tholos do Barro, numa parceria entre o Município de Torres Vedras e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, através do seu Centro de Arqueologia (UNIARQ). 113 anos após a sua descoberta e exploração arqueológica, a campanha de 2022 pretende reestudar o monumento, de modo a promover a sua salvaguarda e melhorar as condições de visita.
O Tholos do Barro é um sepulcro colectivo do III.º milénio a. C., descoberto em 1909 por Paul Bovier-Lapierre. É formado por uma câmara circular, com tecto em falsa cúpula, e por um corredor de acesso. Classificado como Monumento Nacional desde 1910, é o maior e mais bem conservado sepulcro de falsa cúpula existente em Portugal.

Dia aberto

Dia Aberto no Tholos do Barro
Para celebrar as Jornadas Europeias da Arqueologia, o Museu Municipal Leonel Trindade e a UNIARQ promovem um Dia Aberto no Tholos do Barro, convidando a população a acompanhar os trabalhos arqueológicos em curso neste monumento pré-histórico de Torres Vedras.

A equipa de Arqueologia dará a conhecer aos visitantes os resultados da campanha de 2022, que decorre desde o final de maio, no Monte da Pena.
Période(s) archéologique(s) :

Protohistória

Opérateur :

Museu Municipal Leonel Trindade - UNIARQ

-Aménageur :

Município de Torres Vedras - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:00 à 13:00 et de 14:30 à 17:30

Todos os públicos

Não adequado a pessoas com mobilidade reduzida.
Necessário vestuário e calçado confortáveis, chapéu e água.

Lisboa, Lisboa, Torres Vedras

Museu Municipal Leonel Trindade

Praça 25 de Abril,
Convento de Nossa Senhora da Graça,
2560-286 Torres Vedras

http://www.cm-tvedras.pt/cultura/museu-municipal/enquadramento-museu/

Para celebrar as Jornadas Europeias de Arqueologia, o Museu Municipal Leonel Trindade apresenta a exposição “Isto é Arqueologia!”, realizada pela UNIARQ - Centro de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Exposição

Isto é Arqueologia
No Museu Municipal Leonel Trindade estará patente ao público a exposição “Isto é Arqueologia!“, que reúne os projetos de investigação arqueológica dos investigadores da UNIARQ-FLUL.
No conjunto, merece destaque o projeto do Tholos do Barro, cuja apresentação será complementada com a exibição de registos de vídeo, recolhidos durante a campanha arqueológica de 2021.
A exposição pode ser vista entre 17 de Junho e 31 de Julho de 2022.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:00 à 13:00 et de 14:00 à 18:00Sábado, 18 de junho de 10:00 à 13:00 et de 14:00 à 18:00Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 13:00 et de 14:00 à 18:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Acesso a pessoas com capacidade reduzida.

Lisboa, Lisboa, Lisboa

Museu de Lisboa - Teatro Romano

A, R. de São Mamede 3 A, 1100-532 Lisboa

https://www.museudelisboa.pt/pt/nucleos/teatro-romano

JORNADAS EUROPEIAS DA ARQUEOLOGIA - este evento destina-se a sensibilizar a população para a importância da arqueologia. Durantes estes dias as diversas entidades ligadas à arqueologia realizam atividades gratuitas para todos os públicos, que evidenciem a relevância do nosso património arqueológico, dando a conhecer diferentes facetas do mesmo e os bastidores da disciplina.

Oficina

Mestre-de-obras procura-se
Como foi construída a cidade romana de Lisboa? A partir do Teatro Romano, descobrem-se as grandes obras públicas, as vias de comunicação e o urbanismo de Lisboa no período romano. E como a fazer se aprende melhor, nesta visita-oficina, transformados em autênticos mestres de obras, aprende-se a construir um teatro, um templo e muitos outros edifícios, como faziam os lisboetas há 2000 anos.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 15:00 à 17:00

Famílias

Oficina

Escribas de Lisboa
A ocupação de escriba era uma das mais populares entre os romanos. Dominar a arte da escrita não era para todos. Nesta oficina, experimenta-se desenhar letras e palavras, em tabuinhas de cera, como um verdadeiro escriba em Olisipo.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 15:30 à 16:30

Famílias

Visita guiada

Passeio em Felicitas Iulia Olisipo
Um percurso que liga o nosso teatro da época romana ao núcleo arqueológico da Casa dos Bicos, onde podemos observar as cetárias de salga do peixe. Pelo caminho, descobrimos outros vestígios da cidade.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:00

Todos os públicos

Oficina

Manel e Chico Descobrem o Teatro
Manel e Chico descobrem o Teatro Romano é um livro infantojuvenil escrito por Bruno Magina que, além da sua carreira de escritor para este público, trabalha no Museu de Lisboa – Teatro Romano. Manel e Chico ganham vida e voz através de uma leitura encenada.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 17:00 à 18:00

Famílias

Oficina

Oficina de pintura de mural com a artista Mariana Santos
Sabias que em época romana também havia artistas que pintavam murais nas paredes? Vamos saber como se faz com uma verdadeira artista.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 15:00 à 17:00 Domingo, 19 de junho de 15:00 à 17:00 Sábado, 18 de junho de 15:00 à 17:00

Famílias

Oficina

Oficina de colunas romanas
Um teatro vai precisar de muitas colunas e nós vamos ajudar a construí-lo. Nesta oficina vamos fazer colunas e perceber que, afinal, há colunas e colunas …

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 11:00 à 13:00 Sábado, 18 de junho de 11:00 à 13:00

Famílias

Oficina

Como Escavam os Arqueólogos
Será assim tão difícil ser arqueólogo? Com paciência e com muito cuidado vamos experimentar escavar como um verdadeiro arqueólogo!

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 11:00 à 17:00 Sexta-feira, 17 de junho de 15:00 à 17:30

Famílias

Lisboa, Lisboa, Lisboa

Castelo de São Jorge

Castelo de São Jorge
Rua de Santa Cruz do Castelo, 1100-129 Lisboa

www.castelodesaojorge.pt

Aberto ao público 7 dias por semana, o Castelo de São Jorge é hoje um local onde se pode desfrutar do património, ficar a saber um pouco da história de Lisboa no Núcleo Museológico, explorar os vestígios do bairro islâmico do século XI no Núcleo Arqueológico, descobrir vistas inéditas da cidade na Câmara Escura, passear pelos jardins e miradouro, fazer uma pausa no Café do Castelo, participar em visitas guiadas, temáticas ou noutras atividades pedagógicas ou, simplesmente, deixar-se encantar com a música, o teatro, a dança e as conferências sobre património que vão animando os dias neste notável Monumento de Lisboa.

Oficina

Arqueólogo por um dia – Oficina de Arqueologia
Afinal, o que é a Arqueologia? O que faz um arqueólogo e que ferramentas utiliza no seu dia-a-dia? Para que serve um caderno de campo? Que histórias nos podem contar os cacos?
São estas e outras perguntas que vamos responder nesta oficina, onde ensinamos tudo o que é preciso saber para fazer arqueologia por um dia, através da realização de jogos e de outras atividades divertidas.
Vem aprender a ser arqueólogo no Castelo!

3.50 €

Sexta-feira, 17 de junho de 16:00 à 17:00

Famílias

Oficina

Objetos contadores de histórias
Pode um objeto contar-nos uma história? Que respostas podemos encontrar a partir da investigação arqueológica? Através do trabalho em equipa, será possível descobrir respostas para vários enigmas em torno de histórias da Idade do Ferro, do período islâmico, da Idade Média e da Idade Moderna.
Esta oficina utiliza o “puzzle” como estratégia para estimular o reconhecimento de épocas diferentes a partir de peças do museu, fazendo a ponte com o seu lugar de origem, o Núcleo Arqueológico do Castelo.

3.50 €

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:00

Crianças

Visita guiada

Arqueologia vista a partir do Castelo
Ao longo de uma visita guiada no Castelo de São Jorge, iremos assinalar várias descobertas arqueológicas da cidade de Lisboa.
Lisboa é uma cidade milenar, traçando a sua origem ao século VII a.C. e tendo sido a morada de vários povos. 
Nos últimos anos foram várias as novas descobertas arqueológicas que permitiram um novo estudo da metrópole. Motivadas pelo desenvolvimento urbanístico da cidade, assim como pela crescente procura da capital como destino turístico, várias foram as descobertas que reescreveram a história da cidade, desde a Baixa Pombalina até ao Núcleo Arqueológico do Castelo.

3.50 €

Domingo, 19 de junho de 15:00 à 16:00

Famílias

Lisboa, Lisboa, Lisboa

Museu do Dinheiro, Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis, Antiga Igreja de S. Julião

Antiga Igreja de S. Julião, Largo de S. Julião,
1100-150 Lisboa

https://www.museudodinheiro.pt/destaques

O Museu do Dinheiro apresenta o tema do dinheiro, a sua história e evolução, em Portugal e no mundo.
No interior do Museu encontra-se o Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis, classificada como Monumento Nacional,
A Muralha de D. Dinis é uma construção medieval que nos leva numa viagem no tempo, percorrendo mais de 1000 anos da história de Lisboa.
O Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis tem por tem por missão assegurar a salvaguarda dos achados, o estudo da coleção, a divulgação e a acessibilidade a todos os visitantes.

Visita guiada

Muralha de D. Dinis ao domingo à tarde
A muralha de D. Dinis, com 700 anos, é testemunha de episódios marcantes da ação de um rei e da história da cidade de Lisboa, ainda hoje inscritos na superfície do reboco e na sapata do extenso “muro” defensivo. Objetos, fragmentos cerâmicos, ossos e sons aludem ao imaginário medieval; são o património que queremos partilhar nesta visita pelos areais do Tejo, onde ainda se ouvem gaivotas, feiras e naus, recordando a vocação comercial e marítima de “Lixbõa”.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 15:00 à 16:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Visita guiada

Muralha de D. Dinis ao sábado de manhã
A muralha de D. Dinis, com 700 anos, é testemunha de episódios marcantes da ação de um rei e da história da cidade de Lisboa, ainda hoje inscritos na superfície do reboco e na sapata do extenso “muro” defensivo. Objetos, fragmentos cerâmicos, ossos e sons aludem ao imaginário medieval; são o património que queremos partilhar nesta visita pelos areais do Tejo, onde ainda se ouvem gaivotas, feiras e naus, recordando a vocação comercial e marítima de “Lixbõa”.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Conferência

“Um dia normal numa cidade singular” - Construir a visão de Lisboa no séc. XVI a partir de 10 anos de arqueologia
A partir de evidências arqueológicas recuperadas durante as escavações da antiga igreja de S. Julião, Artur Rocha, arqueológo responsável pela escavação, procurará construir uma visão de Lisboa no séc. XVI a partir de 10 anos de arqueologia

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:30 à 12:00

Adultos

Lisboa, Lisboa, Loures

Biblioteca Municipal José Saramago

Rua 4 de Outubro, n.º 19
2670-466 Loures

www.cm-loures.pt

“Ecos da Cidade dos Mortos” é um documentário de Raúl Losada produzido pela ERA-Arqueologia, S.A. para a Câmara Municipal de Lisboa.
O trabalho cinematográfico dá um destaque particular à Necrópole Noroeste de Olisipo, a Lisboa romana, localizada na Praça da Figueira e ruas próximas. O filme, dedicado às práticas e rituais funerários de Olisipo, remete-nos para cerca de dois mil anos atrás, aborda mais de um século de descobertas arqueológicas que permitem fazer o retrato do comportamento da comunidade romana perante a morte. O arqueólogo e professor, Rodrigo Banha da Silva, acompanhou o alinhamento do documentário como consultor científico e investigador dedicado à Lisboa romana.

Projeção

“Ecos da Cidade dos Mortos”
Documentário de Raúl Losada produzido pela ERA-Arqueologia, S.A.
Destaque particular à Necrópole Noroeste de Olisipo, a Lisboa romana, localizada na Praça da Figueira e ruas próximas. O filme, dedicado às práticas e rituais funerários de Olisipo, remete-nos para tempos de cerca de dois mil anos atrás, aborda mais de um século de descobertas arqueológicas que permitem fazer o retrato do comportamento da comunidade romana perante a morte.
Projeto intermunicipal Lisboa Romana – Felicitas Iulia Olisipo.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 17:00 à 18:30

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência mental

Lisboa, Lisboa, Lisboa

Centro de arqueologia de Lisboa

Avenida da Índia
166

https://www.facebook.com/arqueologiadelisboa

Esta é uma história que remonta há milénios, comprovada pela Arqueologia. Na Pré-História eram efectuadas intervenções cirúrgicas cranianas, amputações e outros tratamentos. Estas intervenções foram prática comum entre os povos que habitavam a Europa há época. E estas intervenções cranianas tinham um índice de sucesso bastante aceitável, utilizando também, os ossos para fazer máscaras faciais, rodelas e outros artefactos. Há também indícios de que, em alguns, ponto pode ter ocorrido provável experimentação em animais. Durante o Neolítico e o Calcolítico os indícios no registo arqueológico sugerem que as intervenções em crânios humanos eram recorrentes.
Complicadas intervenções cirúrgicas ou manifestações religiosas?
Venha descobrir como era a Medicina na Pré-História no CAL.

Projeção

A Cirurgia na Pré-História
No âmbito das Jornadas Europeias da Arqueologia, será apresentada projecção acerca das interveções cirurgicas que foram praticadas na Pré-História.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:30 (Tem início à hora marcada)

Todos os públicos

Estudantes

Secundário

Indicado para estudantes de licenciatura e mestrado de Arqueologia, Antropologia Fisíca e Antomo-Patologia.

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Pessoas com dificuldade motora podem aceder ao espaço.

Lisboa, Lisboa, Lisboa

Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS)

Rua da Manutenção, nº 5, Xabregas, 1900-318 Lisboa

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/

A arqueologia náutica e subaquática constitui um ramo da arqueologia que recorre às técnicas de acesso ao meio subaquático. A arqueologia e o património subaquáticos vistos, respetivamente, como uma prática científica e um recurso cultural, têm vindo a ser objeto de uma atenção acrescida em todo o mundo, tanto pelo público em geral, como pelas entidades públicas responsáveis neste domínio. Uma gestão interveniente nesta área do património arqueológico surgiu, assim, por toda a parte, como resposta aos desafios da sua salvaguarda, estudo e valorização - e que não podem deixar de obedecer a pressupostos de exclusiva índole científica e cultural.
A participação nestas Jornadas visa sensibilizar o público para a necessidade de valorização e proteção deste Património.

Dia aberto

Património Cultural Náutico e Subaquático - Conhecer o passado, proteger o futuro.
– Receção e apresentação de vídeo realizado a partir de fotos provenientes das escavações arqueológicas, de sítios, vestígios e artefactos arqueológicos, assim como de projetos atuais.

– O registo 3D - a oportunidade para conhecer as últimas tecnologias que permitem a digitalização de artefactos e estruturas arqueológicas. Registo in loco dos artefactos.

– Visita ao laboratório e aos tanques de conservação do CNANS.
Période(s) archéologique(s) :

Protohistória, Antiguidade, Idade média, Era moderna, Era contemporânea

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:00 à 13:00 et de 14:00 à 17:00

Famílias, Adultos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Lisboa, Setúbal, Almada

Sítio Arqueológico da Quinta do Almaraz

Travessa do Castelo
Almada

www.cm-almada.pt/viver/cultura/projeto-de-investigacao-do-sitio-arqueologico-da-quinta-do-almaraz

Localiza-se em pleno núcleo urbano de Almada e corresponde a uma área de cerca de quatro hectares. Os trabalhos arqueológicos que decorreram até 2001 permitiram identificar um povoado do 1º milénio a.C., em excecional estado de conservação.

Em 2020, o Município de Almada deu início a um projeto de investigação denominado “Quinta do Almaraz: sociedade, economia e quotidianos durante o 1º milénio a.C.”, aprovado pela Direção-Geral do Património Cultural. Este contempla duas componentes essenciais: o aprofundamento da investigação, com o objetivo de caracterizar o povoado do 1.º milénio a.C. a partir do estudo e publicação do espólio e do desenvolvimento de campanhas de escavação anuais; e a ampla divulgação dos resultados obtidos, projetando Almaraz nacional e internacionalmente.

Visita guiada

Visita guiada ao Sítio Arqueológico da Quinta do Almaraz
O Sítio Arqueológico da Quinta do Almaraz é um povoado do 1º milénio a.C. que surge no contexto da diáspora das populações fenícias para Ocidente. A localização privilegiada numa plataforma sobranceira ao rio Tejo conduziu a que tivesse um papel determinante nas dinâmicas produtivas, comerciais e administrativas da Foz do Tejo durante aquele período. O conjunto de materiais recolhidos durante as escavações e as características proto-urbanas da sua arquitetura revelam uma comunidade pujante, que aqui habitou ao longo de vários séculos. É também, por esta razão, um dos mais importantes sítios arqueológicos da região. Venha conhecer de perto a história associada a este sítio numa visita guiada realizada pela equipa de arqueólogos da CMA.

Iniciativa gratuita, com inscrição obrigatória 48 horas antes através do e-mail museus.comunica@cm-almada.pt

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:30 à 12:30

Todos os públicos

Lisboa, Setúbal, Almada

Museu de Almada - Casa da Cidade

Praça João Raimundo
2805-113 Almada

https://www.cm-almada.pt/museu-de-almada-casa-da-cidade

Abre em 2003, e constitui o núcleo sede do Museu de Almada. Ocupa um solar do século XVIII, sucessivamente alterado ao longo do século XX. Deve a designação popular de antiga Quinta dos Frades à pertença aos frades predicantes da Ordem de São Domingos, que entre 1380-1446 constroem o primeiro edifício da quinta. A extinção das ordens religiosas em 1835 determina a sua posse por particulares. No primeiro quartel do século XX, a casa foi local de encontro regular de republicanos e no seu exterior decorreram touradas e concertos da Banda Filarmónica União Artística Piedense. Os seus últimos proprietários são industriais corticeiros e, em instalações contíguas, funcionou a fábrica Corsul. Adquirido pela Câmara Municipal de Almada em 1997.

Espetáculo

Almada, 3000 anos de chão
Espetáculo interativo/multimédia

Uma máquina de fotografar o passado leva duas exploradoras e o seu público numa viagem pelo território de Almada, entrelaçados por um tapete feito de fibras ancestrais e muita vontade de conhecer o antes, o agora e o depois. Um espetáculo em que o cenário é para ser tocado, partilhado e construído com os espetadores, as imagens são feitas de lã merino, madeira e alguns pixels e a história é apresentada enquanto compromisso com o futuro deste pedacinho de planeta abraçado por água, sol e vontade de viajar.

Famílias com crianças a partir dos 5 anos.

Mediação: Mundo do Espectáculo

Criação - Catarina Pé-Curto, Francisca Silva, Joana Arez
Interpretação - Francisca Silva, Joana Arez
Cenografia - Catarina Pé-Curto

MARCAÇÃO PRÉVIA até 48 horas antes da sua realização através do e-mail museus.comunica@cm-almada.pt

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 15:00 à 17:00

Famílias

Espetáculo

Barca
Oficina de escultura e brincadeira. Construção simples de pequenas embarcações, um palmo e meio de barco, reaproveitando materiais; revisitando a história de Almada a partir das suas embarcações. O fecho da oficina será com uma pequena regata num lago da cidade.

Famílias com crianças a partir dos 5 anos.

Mediação: Miguel Horta - Laredo Associação Cultural

MARCAÇÃO PRÉVIA até 48 horas antes da sua realização através do e-mail museus.comunica@cm-almada.pt

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:30 à 12:30

Famílias

Norte, Aveiro, Santa Maria da Feira

Museu Convento dos Loios

Praça Dr. Guilherme Alves Moreira 4520 Santa Maria da Feira

https://cm-feira.pt/

Espaço dedicado à História e ao Património, tem o propósito de salvaguarda, valorização e divulgação dos testemunhos e memórias da herança histórica e cultural do concelho e da região, promovendo diversas atividades de manifesto interesse ao entendimento da diversidade cultural e regional e também nacional. Apresenta na exposição permanente núcleos de Arqueologia, História e Etnografia, onde explica a origem do Homem, a evolução e o desenvolvimento de um vasto território administrativo que outrora se designava por Terra de Santa Maria.

Oficina

Jogos de Tabuleiro Romanos
Nestas Jornadas Europeias da Arqueologia, vamos descobrir como os romanos poderiam ocupar o seu tempo livre. Através de patelas em argila expostas no Núcleo de Arqueologia, vamos recriar e jogar alguns dos jogos que se jogavam há dois mil e muitos anos atrás.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 09:30 à 16:45 (número de participantes - mínimo 10/máximo 25)

Estudantes

Estudantes

Primária, 2.º e 3.º ciclo, Secundário

Atividade pedagógica

Acessibilidade

Deficiência auditiva, Deficiência mental, Visita em língua gestual

Estacionamento reservado à frente do Museu/Elevador/Rampa de acesso/Espaços de passagem amplos/Zonas de descanso/WC adaptado e com muda fraldas

Oficina

Jogos de Tabuleiro Romanos
Nestas Jornadas Europeias da Arqueologia, vamos descobrir como os romanos poderiam ocupar o seu tempo livre. Através de patelas em argila expostas no Núcleo de Arqueologia, vamos recriar e jogar alguns dos jogos que se jogavam há dois mil e muitos anos atrás.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 15:00 à 16:30 Sábado, 18 de junho de 15:00 à 16:30

Famílias

Atividade pedagógica

Acessibilidade

Deficiência auditiva, Deficiência mental, Visita em língua gestual

Estacionamento reservado à frente do Museu/Elevador/Rampa de acesso/Espaços de passagem amplos/Zonas de descanso/WC adaptado e com muda fraldas

Norte, Braga, Esposende

Centro Interpretativo de S. Lourenço

Praça do Município

https://www.municipio.esposende.pt/pages/284

Amante da história ou simples curioso, aceite o convite para descobrir o nosso Património, num programa variado dedicado à Arqueologia, tanto terrestre, como subaquática.
No dia 17 junho decorrerá no Centro Interpretativo de S. Lourenço o encontro de “Arqueologia Costeira e Subaquática de Esposende”.
Na tarde de sábado, dia 18, Esposende estará em Vila do Conde, representado com a apresentação “Patrimónios Emersos e Submersos – o Naufrágio Quinhentista de Belinho” que decorrerá na Alfândega Régia de Vila do Conde.
Já no domingo, 19 de junho, terá lugar no Auditório Municipal de Esposende a sessão comentada “DOS CASTROS”, um documentário produzido pela AO NORTE e parcialmente filmado no Castro de S. Lourenço.

Conferência

Arqueologia Costeira e Subaquática de Esposende
Amante da história ou simples curioso, aceite o convite para descobrir e participar nos bastidores do Património e da Investigação Arqueológica sobre a orla costeira de Esposende e seu o irado mar Atlântico! Este encontro contará com um painel de investigadores, desde geólogos, biólogo e mergulhadores, arqueólogos e historiadores, terminando com uma dinâmica de “brainstorming”.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 14:30 à 18:30

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Conferência

“Patrimónios Emersos e Submersos – o Naufrágio Quinhentista de Belinho”
Assente num projeto de investigação multidisciplinar, o Naufrágio Quinhentista de Belinho 1 constitui um Património Cultural subaquático único e significativo, que tem conferindo grande destaque à Arqueologia Subaquática da região Norte.
Descoberto ocasionalmente, este importante sítio arqueológico corresponderá a um possível navio português ou espanhol da Época dos Descobrimentos, que tem vindo a revelar um significativo espólio.

A sessão decorrerá na Alfândega Régia de Vila do Conde

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 15:00 à 17:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Projeção

“DOS CASTROS” - sessão comentada
Projeção do documentário “DOS CASTROS”, produzido pela AO NORTE e parcialmente filmado no Castro de S. Lourenço, numa sessão comentada pelo Prof. Doutor Carlos Alberto Brochado de Almeida.
Decorrerá no Auditório Municipal de Esposende, com entrada gratuita, mas sujeita à reserva de bilhetes em https://esposende2000.scl.pt/bilheteira.php

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 16:00 à 17:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Norte, Braga, Vila Nova de Famalicão

Conjunto Arqueológico das Eiras

Praça Álvaro Marques

www.parquedadevesa.pt

Visita guiada aos povoados fortificados (castros) Eiras e Vermoim.

Visita guiada

Visita ao território (Conjunto Arqueológico das Eiras)
Nesta visita ao território/passeio comentado, associada ao programa paralelo da Exposição “Naturalmente Famalicão - Cronologia de uma Paisagem“ vamos realizar uma visita ao Castro das Eiras e Castelo de Vermoim, num regresso ao passado e aos primórdios da nossa História Local, bem como ao conhecimento do nosso património arqueológico. A visita será orientada pela Dra. Felisbela Leite. Esta ação insere-se, também, no programa municipal comemorativo das Jornadas Europeias de Arqueologia.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 14:30 à 17:30

Adultos

Norte, Braga, Vila Nova de Famalicão

Parque da Devesa / Casa do Território

Praça Álvaro Marques

http://www.parquedadevesa.com

Exercício de Arqueologia Experimental a realizar na reconstituição do monumento para banhos do Castro das Eiras, localizado no Parque da Devesa.

Demonstração

Experimentação do Balneário Castrejo
Exercício de Arqueologia Experimental a realizar na reconstituição do monumento para banhos do Castro das Eiras, localizado no Parque da Devesa.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 14:30 à 17:00

Todos os públicos

Norte, Braga, Braga

Espaço arqueológico musealizado "Fonte do Ídolo"

Rua do Raio
4700-922 Braga

https://www.cm-braga.pt/

Trata-se de um santuário rupestre de origem pré-romana, dedicado à deusa indígena Nábia, intimamente ligada ao culto da água e da fertilidade. Foi monumentalizado no ínicio da fundação da cidade por um imigrante chamado Celico Fronto, que mandou executar as esculturas e as inscrições visíveis na frente do santuário. Posteriormente, os descendentes deste imigrante, renovaram o monumento construindo um lago em frente à fachada da fonte.

Oficina

“Vestígios Escondidos“
Atividade comemorativa das “Jornadas Europeias da Arqueologia”, onde os participantes, serão desafiados a encontrar pequenas réplicas de artefactos arqueológicos, relacionados com o sítio arqueológico musealizado em referência. No final serão presenteados, com uma bula em feltro, na qual, serão colocadas as peças entretanto descobertas e por um certificado de participação.

Itinerário: Inicia na Fonte do ídolo (R. do Raio), passará pelas Termas Romanas do Alto da Cividade (R. Dr. Rocha Peixoto) e finalizará na Domus da Escola Velha da Sé, (R. Dom Afonso Henriques, nº1).

A participação nesta atividade é gratuita e não necessita de marcação prévia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 09:30 à 12:30 et de 14:00 à 17:00 (Dia 17 de Junho)Sábado, 18 de junho de 11:00 à 17:00 (Dia 18 de Junho)

Crianças, Famílias, Adultos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Acessibilidade para pessoas com mobilidade condicionada.

Norte, Braga, Braga

Espaço arqueológico musealizado "Termas Romanas do Alto da Cividade"

Rua Dr. Rocha Peixoto
4700-033 Braga

https://www.cm-braga.pt

Na colina do Alto da Cividade, no interior de uma ampla área protegida e vedada, situam-se uma das termas públicas romanas, conhecidas até ao momento em Braga. O edifício foi descoberto em 1977, aquando da realização no local das primeiras escavações. Actualmente as termas romanas do Alto da Cividade, classificadas como Monumento Nacional, encontram-se musealizadas e abertas ao público.

Oficina

“Vestígios Escondidos“
Atividade comemorativa das “Jornadas Europeias da Arqueologia”, onde os participantes, serão desafiados a encontrar pequenas réplicas de artefactos arqueológicos, relacionados com o sítio arqueológico musealizado em referência. No final serão presenteados, com uma bula em feltro, na qual, serão colocadas as peças entretanto descobertas e por um certificado de participação.

Itinerário: Inicia na Fonte do Ídolo (R. do Raio), passará pelas Termas Romanas do Alto da Cividade (R. Dr. Rocha Peixoto) e finalizará na Domus da Escola Velha da Sé (R. Dom Afonso Henriques, nº1).

A participação nestas atividades é gratuita e não necessita de marcação prévia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 09:30 à 12:30 et de 14:00 à 17:00 (Dia 17 de junho)Sábado, 18 de junho de 11:00 à 17:00 (Dia 18 de junho)

Crianças, Famílias, Adultos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência visual

O espaço possui acessibilidades para pessoas com mobilidade condicionada e condições de visita para invisuais.

Norte, Braga, Braga

Espaço arqueológico musealizado "Domus da Escola Velha da Sé"

Edifício da UF da Sé Cividade e Maximinos / Polo da Sé Rua D. Afonso Henriques, nº1
4700 – 030 Braga

https://cm-braga.pt

Surgidas no contexto de uma intervenção arqueológica dirigida pelo Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Braga, estas ruínas retratam importantes momentos de evolução do tecido urbano bracarense, como servem de exemplo os restos de uma estrutura habitacional dada do séc. I e inícios do IV d.C., assim como, vestígios da antiga cerca medieval e de um torreão do séc. XIV.

Oficina

“Vestígios Escondidos“
Atividade comemorativa das “Jornadas Europeias da Arqueologia”, onde os participantes, serão desafiados a encontrar pequenas réplicas de artefactos arqueológicos, relacionados com o sítio arqueológico musealizado em referência. No final serão presenteados, com uma bula em feltro, na qual, serão colocadas as peças entretanto descobertas e por um certificado de participação.

Itinerário: Inicia na Fonte do Ídolo (R. do Raio), passará pelas Termas Romanas do Alto da Cividade (R. Dr. Rocha Peixoto) e finalizará na Domus da Escola Velha da Sé (R. Dom Afonso Henriques, nº1).

A participação nestas atividades é gratuita e não necessita de marcação prévia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 12:30 et de 14:30 à 17:00 (Dia 17 de junho)Sábado, 18 de junho de 11:00 à 17:00 (Dia 18 de junho)

Crianças, Famílias, Adultos

Norte, Braga, Braga

Iter Romanum. Braga

Praça Municipal. 4700-435 Braga. Portugal

https://www.cm-braga.pt/es/0101/conhecer/historia-e-patrimonio/apresentacao

Iter romanum allows a journey from the large towns and roads to quiet byways where the travelling speed slows down and we can stop in villages, on bridges, passes, at military camps and monuments that symbolised the power of Rome and still maintain their place in the landscape.

Iter Romanum is a proposal to discover the roman remains of the following destinations:

Ville d’Arlon (Belgium)
Ruta Vía de la Plata (Spain)
MuséoParc Alésia (France)
Aquileia (Italy)
Braga (Portugal)
Sirmium (Serbia)

Circuito de descoberta

HIDDEN VESTIGES
Commemorative activity of the “European Archaeology Days“, where participants will be challenged to find small replicas of archaeological artifacts, related to the archaeological museum site in reference. At the end they will be presented with a felt bulla, in which the pieces discovered in the meantime will be placed, and a certificate of participation.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 09:30 à 17:00 Sábado, 18 de junho de 09:30 à 17:00

Crianças

Norte, Bragance, Mirandela

Jornadas de Turismo Arqueológico

Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo, Instituto Politécnico de Bragança, Campus do Cruzeiro - Avenida 25 de Abril, Cruzeiro, Lote 2. Apartado 128. 5370-202 Mirandela.

http://jta.esact.ipb.pt/

No âmbito das Jornadas, um grupo de arqueólogos debaterá o papel social e agregador que a pesquisa arqueológica pode proporcionar às comunidades locais e ao país, partilhando conhecimentos e experiências sobre o modo como projetos e práticas têm triunfado nas suas regiões, partindo do binómio Arqueologia - Turismo.
O evento é organizado conjuntamente pela Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo do Instituto Politécnico de Bragança (EsACT-IPB) com o CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória», e terá lugar na EsACT-IPB, nos dias 17 e 18 de junho.
A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição.

Visita guiada

Visitas guiadas a sítios arqueológicos (Mirandela e Valpaços)
o Castro de S. Brás (Torre de D. Chama, Mirandela)
o Pia dos Mouros (Argeriz, Valpaços)
o Castro de Ribas (Argeriz, Valpaços)
o Lagares rupestres em Santa Valha (Valpaços)
o Lanche/Convívio

Participação gratuita, mas sujeita a inscrição no site do evento.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 14:30 à 19:00

Crianças, Famílias, Adultos, Estudantes

Conferência

Jornadas de Turismo Arqueológico
Pensar a Arqueologia enquanto motor de desenvolvimento de uma região é um desafio que se coloca presentemente à comunidade científica. A conjuntura política, económica e social atual apresenta imensos problemas, mas deve constituir um verdadeiro estímulo, sendo importante afirmar o papel social e agregador que a pesquisa arqueológica pode proporcionar às comunidades locais e ao país.
Um dos assuntos que se discute em Arqueologia é o tipo de discurso utilizado para o público em geral, designadamente de como sair do hermetismo técnico-científico desta área do conhecimento e como tornar a mensagem inteligível a todos, sem perder o rigor da disciplina. Consecutivamente, algumas das questões mais abordadas no debate científico, promovido nos últimos anos, prende-se particularmente com a divulgação do resultado dos trabalhos arqueológicos; pela participação e integração das comunidades locais na preservação e a pela consciencialização do ‘seu’ património arqueológico.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 09:00 à 19:00 et de 09:30 à 12:30Sexta-feira, 17 de junho de 09:00 à 19:00 et de 09:30 à 12:30

Adultos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Norte, Bragance, Miranda do Douro

Município de Miranda do Douro

Largo d. João III

https://www.cm-mdouro.pt/pages/155?event_id=569&fbclid=IwAR3zC7bPvGz2i8XXfpoIV7N3ai9ybO8kHZt1TbCHPFS

Atelier de Olaria Antiga e Ciclo de cinema arqueológico

Oficina

Oficina Olaria Antiga
24 de junho
17:00 horas Atelier de Olaria Antiga
Inscrições até dia 22 de junho junto aos Cabanais do Castelo. Limite de participação de 15 pessoas.
Local – Alcáçova do Castelo de Miranda do Douro.

Acesso grátis

Todos os públicos

Projeção

Ciclo de Cinema arqueológico
Ciclo de cinema arqueológico

25 de junho
18:00 horas – exibição de dois filmes realizados por Rui Pedro Lamy.
- O Ouro de Tresminas (2015)
- Os enigmas do cabeço da Mina, melhor filme de arqueologia Pré-História do Museu e Instituto Fioentino di Preistoria Paolo Graziosi, Festival Firenza Archeofilm- Florença, Itália.

26 de Junho
18:00 horas – exibição do filme – documentário Coa- O Rio das Mil Gravuras. Realizado por Jean-Luc Bouvret.

Local – Miniauditório de Miranda do Douro

Acesso grátis

Todos os públicos

Norte, Guarda, Vila Nova de Foz Côa

Parque Arqueológico e Museu do Côa

Rua do Museu
5150-620 Vila Nova de Foz Côa

www.arte-coa.pt

Como uma imensa galeria ao ar livre, o Vale do Côa apresenta mais de mil rochas com manifestações rupestres, identificadas em mais de 80 sítios distintos, sendo predominantes as gravuras paleolíticas, executadas há cerca de 30.000 anos.

Visita guiada

Paisagens Reveladas - Visita guiada ao abrigo com pinturas rupestres das Lapas das Cabreiras
O abrigo granítico das Lapas Cabreiras apresenta-se como um dos mais importantes sítios da Pré-história Recente do Vale do Côa, pela sua arquitetura monumental e pela singularidade da sua arte pintada, pertencente ao universo da Arte Esquemática. O projeto de investigação Landcraft, tem revelado vestígios arqueológicos decisivos para o estudo da contextualização das manifestações artísticas e compreensão da ocupação humana deste vale, desde o início do Holoceno até aos dias presentes.
Informações e inscrição (obrigatória): barbaracarvalho80@gmail.com - 936 852 528
Percurso pedestre de 4 km, grau médio de dificuldade. Aconselhamos o uso de roupa e calçado confortável, chapéu e água.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 16:00 à 19:00

Todos os públicos

Norte, Guarda, Figueira de Castelo Rodrigo

Castelo de Monforte do rio Côa

Largo Dr. Vilhena n. 1
6440-100 Figueira de Castelo Rodrigo

http://www.cm-fcr.pt

O Município de Figueira de Castelo Rodrigo, em colaboração com a Associação RIBACVDANA, leva a efeito no dia 18 de Junho, uma jornada de reflexão sobre as ruínas do Castelo de Monforte.
Contando com a presença de investigadores de universidades portuguesas e Espanholas, a jornada de reflexão pretende trazer elementos que permitam uma melhor compreensão deste Património.
O Castelo e a povoação envolvente, estão em total ruína. Localizado num promontório fronteiro ao rio Côa, é referenciado no Tratado de Alcalinizes, celebrado em 1297 entre D. Dinis de Portugal e D. Fernando IV de Leão e Castela.
A s instituições Públicas, Associativas e público em geral é convocado a participar na jornada, para dar Presente e Futuro a este Património. Durante a tarde, será realizada visita guiada.

Conferência

O Castelo de Monforte - Jornada de Reflexão
A jornada de reflexão sobre o Castelo de Monforte, que será levada a efeito no dia 18 de Junho, coincide com as datas em que se assinalam as Jornadas Europeias de Arqueologia.

Eis o Programa:

10h30 – Abertura: Intervenção do Presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo e do Presidente da Associação RIBACVDANA
11h00 – “El património arqueológico del valle del Águeda como recurso turístico: grabados, dólmenes, pinturas e castros”, Dr. Jose Ignacio Benito, Centro de Estudos Mirobrigenses;
11h30 – “Monforte: um meandro do Côa nos mapas de fronteira”, Dr. João Garcia, Universidade do Porto
12h00 – “A investigação do Castelo de Monforte de Ribacôa – passado, presente e Futuro?”, Dr. Tiago Ramos, Universidade Nova de Lisboa e Dr. Tiago Gil, arqueólogos;
12h30 – Debate
13h00 – Sessão de Encerramento – Presidente da Câmara Municipal de Figueira C. Rodrigo
13h30 – Almoço
15h00 – Visita ao Castelo de Monforte ( sob orientação do Dr. Tiago Ramos);

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:15 à 18:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência mental

A sessão de reflexão, a decorrer na Casa da Cultura de Figueira de Castelo Rodrigo permite o acesso a todos os públicos. A visita às ruínas do Castelo de Monforte, agendadas para o período da tarde, tornam impossível que pessoas com dificuldades motoras ou visuais, possam fruir e participar da visita.

Norte, Porto, Marco de Canaveses

Escola Profissional de Arqueologia

Largo da Igreja do Freixo (Tongobriga), 58

https://www.eparqueologia.gov.pt/

Visita guiada às instalações da Escola Profissional de Arqueologia e possibilidade de conhecer “in loco“ a sua oferta formativa para o ano letivo de 2022-23.

Dia aberto

Visita à Escola Profissional de Arqueologia
Visita à instalações da EPA, onde toda a aldeia é uma gigante sala de aula.
Possibilidade de conhecer e conversar com os professores sobre a oferta formativa para o ano letivo de 2022-23.
Opérateur :

Escola Profissional de Arqueologia.

-Aménageur :

Escola Profissional de Arqueologia.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 13:00

Todos os públicos

Norte, Porto, Marco de Canaveses

Visita guiada à Exposição "Vale do Côa: Singularidades de um território"

Rua António Correia de Vasconcelos, 51
4630-095 Marco de Canaveses

https://www.tongobriga.gov.pt/

Visita guiada à Exposição “Vale do Côa: Singularidades de um território“ pelos alunos do curso EFA de Técnico de Informação e Animação Turística da Escola Profissional de Arqueologia.
A exposição resulta de uma parceria entre a Fundação do Museu do Côa, a Área Arqueológica do Freixo e a Escola Profissional de Arqueologia.

Exposição

Visita guiada à Exposição “Vale do Côa. Singularidades de um Território“
O percurso da exposição pretende mostrar, para além da milenar arte rupestre, também o património histórico e natural do extenso território que abrange o Parque Arqueológico do Vale do Côa.
O público poderá ainda inteirar-se do quotidiano das comunidades nómadas que habitaram esta região, através da reconstituição de parte de um acampamento Paleolítico.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 10:30 Sexta-feira, 17 de junho de 11:00 à 11:30 Sexta-feira, 17 de junho de 12:00 à 12:30 Domingo, 19 de junho de 10:00 à 10:30 Domingo, 19 de junho de 11:00 à 11:30 Domingo, 19 de junho de 12:00 à 12:30

Todos os públicos

Norte, Porto, Vila do Conde

Cividade de Bagunte

Monte da Cividade, Bagunte, Vila do Conde

https://appavc.wixsite.com/home/cividade-de-bagunte

reViVer Bagunte

Porque a memória é um motor da vida.

As Jornadas Europeias de Arqueologia 2022, vão estar na Cividade de Bagunte e a APPA-VC quer aproveitar este momento para o tornar ainda mais importante para todos.

Assim, convidamos todas as pessoas que já conhecem a Cividade a partilhar e a escutar relatos e histórias sobre este espaço, para revivermos os tempos de outrora.

No Domingo, 19 de Junho, às 16h00, junto ao novo centro de apoio ao visitante da Cividade, iniciaremos esta viagem guiada pelas memórias de todos.

Esta é uma actividade aberta a avós, pais e netos de todas as idades. E onde todas as histórias pessoais vão ser usadas para edificar a memória deste local especial.

Juntos, vamos reViVer e dar mais vida à Cividade de Bagunte!

Visita guiada

reViVer Bagunte
A APPA-VC Convida todas as pessoas que já conhecem a Cividade de Bagunte a partilhar e a escutar relatos e histórias sobre este espaço, para revivermos os tempos de outrora.
Domingo, 19 de Junho, às 16h00, junto ao novo centro de apoio ao visitante da Cividade, iniciaremos esta viagem guiada pelas memórias de todos.

Esta é uma actividade aberta a avós, pais e netos de todas as idades, na qual todas as histórias pessoais vão ser usadas para edificar a memória deste local.
Juntos, vamos reViVer e dar mais vida à Cividade de Bagunte!

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 16:00 à 19:00 et de 16:00 à 19:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Carrinhas de apoio ao transporte de visitantes com mobilidade reduzida.

Norte, Porto, Porto

MUSEU DA CIDADE– ARQUEOSSÍTIO

Rua D. Hugo, 5, 4050-305, Porto

https://museudacidadeporto.pt/recurso/jornadas-europeias-da-arqueologia-dgpc-no-museu-da-cidade/

Numa sucessão de camadas arqueológicas a que se associam vestígios materiais, o Arqueossítio da Rua D. Hugo é como uma janela com vista para o passado da cidade, uma visão complexa feita de múltiplos tempos que a Arqueologia ajuda a decifrar.
Perto da Sé, no Centro Histórico do Porto, Património Mundial, está conservada a mais longa sequência estratigráfica da ocupação humana no Porto, vestígios que testemunham a longa diacronia do aglomerado, com origens no I milénio a.C

Visita guiada

Um sítio arqueológico
Visita às ruínas arqueológicas descobertas entre 1984 e 1987, no primeiro local onde vieram a ser identificados os vestígios do castro protohistórico que está na origem da cidade.

A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho
Lotação: 12 participantes

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 10:40 et de 11:00 à 11:40Sexta-feira, 17 de junho de 12:00 à 12:40

Todos os públicos

Norte, Porto, Marco de Canaveses

Oficinas de Arqueologia e Arte Rupestre

Rua António Correia de Vasconcelos, 51
4630-095 Marco de Canaveses

https://drive.google.com/file/d/113FgAUY2pAJX-hDjcY2GzGDj6siSdWeF/view?usp=sharing

Oficinas pedagógicas criadas com base na exposição “Vale do Côa. Singularidades de um Território“, atualmente patente ao público no Centro Interpretativo de Tongobriga.
As oficinas, totalmente gratuitas, foram desenvolvidas pelos alunos do curso EFA de Técnico/a de Informação e Animação Turística da Escola Profissional de Arqueologia.

Oficina

Pinta os animais
Os participantes irão reproduzir figuras dos animais que estão representados nas gravuras do Vale do Côa, com recurso a um molde em cartolina e utilizando a técnica de stencil

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias

Oficina

Desenha os animais que vês
Nesta atividade serão postas à prova as habilidades artísticas dos participantes.
Estes irão replicar o desenho que estão a ver e que representa algumas das imagens de animais gravados nas rochas do Vale do Côa.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Jogo da memória simples
Os participantes devem formar pares de imagens relacionadas com objetos que encontram na cabana
do Paleolítico que viram na exposição.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Monta o puzzle
Os participantes irão montar um puzzle, constituído por peças que representam uma imagem divertida do quotidiano Paleolítico

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Constrói a cabana paleolítica
Em grupos de dois, os participantes irão
encaixar as peças do puzzle, de forma a
reproduzir a imagem da cabana Paleolítica, que
observaram anteriormente na exposição

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Jogo da memória objeto/ função
Os participantes devem associar as figuras do lado esquerdo, que representam objetos do Paleolítico, às do lado direito que representam objetos com a mesma função nos dias de hoje.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Remontagem de objetos arqueológicos
Através da construção de puzzles que representam
vários objetos presentes no quotidiano do Homem
Paleolítico, os participantes são desafiados a interpretar a sua função e a relacioná-la com uma atividade.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Oficina de decalque de arte rupestre
Os participantes fazem o decalque direto de uma placa gravada com diferentes motivos, simulando um dos métodos de registo da arte rupestre utilizada pelos arqueólogos.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00 Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00

Famílias, Estudantes

Oficina

Escavação arqueológica simulada
Participação numa escavação arqueológica simulada na zona habitacional da cidade romana de Tongobriga com recurso a técnicas de recolha, registo e investigação específicas da arqueologia.

Acesso grátis

Domingo, 19 de junho de 10:30 à 13:00 Sexta-feira, 17 de junho de 10:30 à 13:00

Todos os públicos

Norte, Porto, Porto

MUSEU DA CIDADE - RESERVATÓRIO

Parque da Pasteleira (entrada poente), Rua de Gomes Eanes de Azurara, 122, 4150-362, Porto

https://museudacidadeporto.pt/estacao/reservatorio/

O Reservatório é a primeira estação do Museu da Cidade. Esta montagem de artefactos, vestígios e fragmentos encontrados em escavações ou recolhidos de edifícios e monumentos da Cidade, e que integram as coleções municipais. O espectro temporal abrangido por este conjunto de objetos vai da Época Contemporânea até ao Paleolítico, estendendo-se, assim, da História à Pré-história.

Oficina

Quando o Porto era um castro
Através de uma BD, vamos explorar a Cultura Castreja do Noroeste Peninsular, em particular os vestígios descobertos no Morro da Sé, finalizando com atividades lúdicas.

Lotação: 20 participantes

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 10:00 à 11:30 (A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho)

Crianças, Famílias

Estudantes

Primária, 2.º e 3.º ciclo

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Visita guiada

Registos de campo e práticas em arqueologia
Visitas orientadas a alguns núcleos da exposição com breves abordagens a algumas práticas de uma intervenção arqueológica.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 11:00 à 11:30 et de 17:00 à 17:30 (A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho)

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência mental

Oficina

Mãos no barro
Nesta oficina, vamos “pôr as mãos” no barro para fazer pequenos vasos. Vamos também “pôr os olhos” nas antigas cerâmicas em exposição no Reservatório para nos inspirarmos a criar a sua forma e decoração.
Lotação: 20 participantes

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 15:00 à 16:30 et de 15:00 à 16:30 (A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho)Sexta-feira, 17 de junho de 15:00 à 16:30 et de 15:00 à 16:30 (A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho)

Crianças, Famílias, Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência mental

Norte, Porto, Porto

MUSEU DA CIDADE - RESERVATÓRIO

Parque da Pasteleira (entrada poente), Rua de Gomes Eanes de Azurara, 122, 4150-362, Porto

https://museudacidadeporto.pt/recurso/jornadas-europeias-da-arqueologia-dgpc-no-museu-da-cidade/

O Reservatório é a primeira estação do Museu da Cidade. Reúne artefactos, vestígios e fragmentos encontrados em escavações ou recolhidos de edifícios e monumentos da cidade do Porto, e que integram as coleções municipais. O espectro temporal abrangido por este conjunto de objetos vai da Época Contemporânea até ao Paleolítico, estendendo-se, assim, da História à Pré-história.

Oficina

Arqueólogo por um dia
Nesta oficina de Arqueologia desafiamos os participantes a experienciar, de uma forma lúdico-didática, o trabalho dos arqueólogos, através da simulação de uma escavação, limpeza e colagem de fragmentos cerâmicos.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:30 (: A participação na atividade é gratuita e requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho. Lotação: Limite de 12 participantes por grupo.)

Crianças, Famílias

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Visita guiada

3 sítios arqueológicos em destaque
No Reservatório expõem-se conjuntos materiais de intervenções arqueológicas realizadas em vários locais da cidade e que espelham diferentes estratégias na relação do homem com o território envolvente.
Sítios selecionados: Plataforma Litoral (Paleolítico), Areias Altas (Idade do Bronze), Arqueossítio da R. D. Hugo (Idade do Ferro – Romanização – Idade Média.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:00 à 10:30 et de 11:00 à 11:30Sábado, 18 de junho de 12:00 à 12:30 (A participação requer inscrição prévia até ao final do dia 15 de junho. Lotação: Limite de 10 participantes por grupo (3 grupos))

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas, Deficiência mental

Visita guiada

Reservatório à noite - Mostra de materiais arqueológicos
Pequenas visitas de cerca de 30m orientadas a alguns núcleos da exposição que contemplam a observação e o manuseamento de materiais e a exploração das suas principais características.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 21:00 à 23:30 (A participação na atividade não requer inscrição prévia. Lotação: 10 por grupo)

Todos os públicos

Acessibilidade

Deficiência mental

Norte, Porto, Porto

MUSEU DA CIDADE - RESERVATÓRIO

Parque da Pasteleira (entrada poente), Rua de Gomes Eanes de Azurara, 122, 4150-362, Porto

https://museudacidadeporto.pt/estacao/reservatorio/

O Reservatório é a primeira estação do Museu da Cidade. A presente montagem reúne artefactos, vestígios e fragmentos encontrados em escavações ou recolhidos de edifícios e monumentos da Cidade, e que integram as coleções municipais. O espectro temporal abrangido por este conjunto de objetos vai da Época Contemporânea até ao Paleolítico, estendendo-se, assim, da História à Pré-história.

Conferência

O carro de bois de Monchique
Conversa com a investigadora Teresa Soeiro sobre o achado de um carro de bois em Monchique, peça em exibição no Reservatório, e sobre as diferentes representações e memórias que este achado arqueológico evoca, dando novos significados a um objeto descartado. Trata-se de um leito (incompleto) de um veículo de tração animal com eixo móvel, encontrado na intervenção arqueológica realizada próxima da antiga margem do Douro, junto ao Convento de Monchique.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 21:30 à 22:30 (Entrada livre até à lotação do espaço - 30 participantes)

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Norte, Viana do Castelo, Viana do Castelo

Museu do Património Mineiro | Porta de Arga

Alameda 25 de Abril 70
4925-404 Lanheses
Viana do Castelo

https://www.geoparquelitoralviana.pt/explorar/entrada-2/

A Porta de Arga do Geoparque Litoral de Viana do Castelo constitui-se como um centro de acolhimento turístico-educativo vocacionado para a valorização do património identitário da margem direita da Ribeira Lima.

Promove o património mineiro, incentiva a visitação da Rede de Portas do Geoparque e sensibiliza para a importância na proteção e conservação dos elementos naturais e culturais classificados.

A Porta de Arga tem como valência o Museu do Património Mineiro de Arga, que destaca e valoriza a temática mineira, valorizando um importante espólio de material utilizado na mineração de volfrâmio e cassiterite, mas também documentação de referência, fotografias, testemunhos orais de antigos mineiros e cancioneiros mineiros.

Visita guiada

Visita Guiada ao Museu do Património Mineiro | Porta de Arga
Visita guiada à infraestrutura desenhada e concebida em exclusivo para albergar o espólio documental relativo à mineração local.

A estreita relação da atividade com a Serra d'Arga e as suas gentes é, mais do que espaço de memória coletiva, uma assumida manifestação identitária.

Como tal, mais do que a História da Mineração e os objetos e as matérias-primas que lhe estão associados, encontram-se as Histórias de Pessoas. Pessoas que, no seu tempo, viveram da atividade mineira.

A visita guiada em grupo será realizada no dia 18 de junho de 2022 (sábado), encontrando-se aberta a todos os que queiram participar.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 11:00 à 12:00 Sábado, 18 de junho de 10:00 à 11:00

Todos os públicos

Acessibilidade

Dificuldade motora/utilizador de cadeira de rodas

Norte, Viana do Castelo, Viana do Castelo

Gravuras rupestres da Breia 1 (Viana do Castelo)

Lugar da Portela, União de Freguesias de Cardielos e Serreleis

https://www.geoparquelitoralviana.pt/explorar/gravuras-rupestres-da-breia/

No Monte de São Silvestre, utilizado deste a Pré-história Recente, foram inventariados e estudados um complexo de onze afloramentos graníticos com gravuras rupestres, distribuídos pelas suas vertentes este e este-sudeste.

Composto por um total de 11 afloramentos horizontalizados que se localizam ao longo de um pequeno vale, trata-se de um local de passagem natural (portela) entre as terras de fundo de vale e as de altitude e área tradicional de pastoreio.

O afloramento de Breia 1 é profusamente gravado com Arte Atlântica e outros motivos de diversas cronologias, incluindo motivos circulares acompanhadas, em certos locais, por equídeos semi-naturalistas, com representação dos membros em movimento e cauda erguida.

Visita guiada

Visita noturna às gravuras rupestres da Breia 1 (Viana do Castelo)
As gravuras rupestres são manifestações humanas gravadas em diferentes tipos de rocha. Independentemente do seu significado e das suas representações (mais ou menos figurativas), a arte rupestre resulta da forma como o Homem perceciona o mundo que habita.
O afloramento granítico da Breia 1 pode subdividir-se em 7 painéis com diferentes gramáticas simbólicas, do abstrato ao figurativo. A representação de eventuais equídeos é considerada de especial interesse, visto que por aquelas terras, ainda hoje, pastam e circulam livremente cavalos do tipo garrano, uma espécie com ampla difusão na Península Ibérica que ali habita em estado selvagem.

Acesso grátis

Sábado, 18 de junho de 10:30 à 11:30

Todos os públicos

Acessibilidade

Deficiência visual

Norte, Vila Real, Vila Real

Livraria Traga-Mundos

24 R. Miguel Bombarda 5000-625 Vila Real, Portugal

Palestra - “Fakenews e arqueologia - O caso do alfabeto do Alvão“ por Mila Simões de Abreu. Organização Unidade de Arqueologia, Dep. Geologia UTAD, Ass. Alter Ibi e Livraria Traga Mundos.

Conferência

PALESTRA - “Fakenews e arqueologia - O O caso do alfabeto do Alvão“
O alfabeto nasceu na Serra do Alvão? Pedras do Alvão podem reescrever história da escrita? Estes são alguns dos títulos de post que apareceram no Fabebook e que foram repetidos centenas de vezes... O que está afinal por detrás das misteriosas descobertas feitas na serra do Alvão nos finais do séc. XIX pelos padres Rodrigues e Benha? Nesta palestra vamos apresentar os fatos e discutir possíveis explicações.

Acesso grátis

Sexta-feira, 17 de junho de 21:00 à 23:00

Todos os públicos

Norte, Viseu, Carregal do Sal

Caminhada interpretativa

Rua Alexandre Braga, n.º 32

18 junho: 9h. Praça Brasil Portugal, Oliveira do Conde.
Caminhada interpretativa pelo Circuito Pré-histórico Fiais/Azenha.
Apresentação de alguns dólmenes da necrópole megalítica do período neolítico-idade do Bronze.

-->